sexta-feira, 3 de maio de 2013

Canarana - Terra esperança

HINO DO MUNICÍPIO DE CANARANA - TERRA ESPERANÇA (Algacyr Costa)
 
Virgem brotastes das entranhas do cerrado
Num firme brado de trabalho e suor.
Heróis pioneiros morando em tetos de lona
Mãos de cordeona a semear vida melhor.
Iluminados pela força imigrante
Em teu semblante refulgem raios de sóis
Dias e noites, na constância que promove
Fé que comove, a fisgar mil arrebóis.
 
Rico eldorado, verde selva, linda gente
Traz ao presente, exemplo de força e paz.
És Canarana com Norberto e sua alma
Ouvindo palmas de um povo viril, capaz.
 
Quanto trabalho, quanta luta, sofrimentos
Sem suprimentos para os filhos sustentar.
Lembrando sempre na distância seus parentes
Saudoso sente uma angustia à cabrestear.
Cravaste fundo nesta terra a esperança
Como uma fiança no futuro a esperar
Calma velhice, paz, amor, fraternidade
Felicidade a nós todos abraçar.
 
Terra Esperança interpretada pelo filho do autor: Yamandu Costa!
 

 DADOS BIOGRÁFICOS DE ALGACIR COSTA, AUTOR DO HINO DE CANARANA
 
Clary, Algacir e Diamandú
Algacir Costa nasceu na Vila Teixeira, 7º Distrito de Passo Fundo, hoje município de Tapejara, estado do Rio Grande do Sul, no dia 11 de outubro de 1944. Estudou música nos conservatórios de Passo Fundo nos anos 1968/1969, violão clássico no conservatório do Recife em 1971, e piston clássico no Recife e João Pessoa em 1981. Ministrou dez cursos de Teoria e Solfejo como representante da ordem dos músicos de Porto Alegre, no interior do Estado do Rio Grande do Sul, nos anos de 1986 e 1988. 
 
É criador de um método pioneiro de gaita de botão, um método de iniciação ao violão, um método para piston e outro método inovador de solfejo, leitura musical. Escreveu arranjos para bandas de Músicas, foi compositor, musicista e poeta. Gravou em 1963 um disco em 78 rotações, um compacto duplo em 1966 e mais 4 LPs solo. Pussui 8 LPs gravados com o Grupo Os Fronteriços. 
 
Participou em mais de 25 festivais de Música Nativista como compositor, interprete e em outros como jurado. 
 
Fez apresentações nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Pará. 
 
Algacir Costa gravou um LP em Buenos Aires em 1978. Participou com Os Fronteriços nos Festivais Del Litoral, Apostoles e Missiones, na República da Argentina, e no 25º Festival Internacional de Folclore em Santarém, Portugal, 1983. 
 
Escreveu arranjos para corais e foi regente. Tocava sete instrumentos: gaita de botão, violão, baixo, cavaquinho, piston, trombone e piano. Escreveu músicas para todos esses instrumentos. 
 
Algacir era casado com a cantora Clary Marcon, com a qual teve, os filhos, Diego e Diamandu Costa, que agora é o artista Yamandu, o prodígio incontrolável da música instrumental, hoje famoso internacionalmente e considerado um dos melhores violonistas do Brasil. 
 
Em sua biografia conta que o guri tinha 12 anos, quando em plena avenida central de Passo Fundo, a capital do Planalto Médio do Rio Grande do Sul,  os Fronteriços se preparavam para um show.  O guri saltitou entre as alpargatas e espiou o público e viu que tinha apenas cinco pessoas. Foi então que o pequeno Yamandu mirou os olhos nos do pai e sugeriu: "Bah, vamos cancelar este troço, só tem cinco pessoas!" Endiabrado, Algacir reagiu antes que o garoto pudesse piscar. Agarrou-o pelo braço, olhou fundo em sua alma e disse: "Você nunca mais me fale uma coisa dessas. Tem cinco pessoas? Pois nós vamos tocar como se fossem cinco mil! Este show vai ser o melhor da nossa vida. Nunca desrespeite seu público dessa maneira!" 
 
Hoje, aos 28 anos, um DVD e seis discos lançados, sempre que o violonista Yamandu Costa sobe a um palco em Paris ou Tóquio, Rio ou São Paulo, Viena ou  na Alemanha, normalmente aguardado por uma platéia numerosa e devotada por seu virtuosismo, impetuosidade e capacidade de improviso, ele lembra do pai e daquelas cinco pessoas naquele teatrinho, e carrega a lição de que nada é mais importante do que ter respeito pela arte e por quem a consome.
 
Assim fala Yamandu a respeito do Pai Algacir: "Meu pai morreu com a carreira limpa. Sempre fez o que quis, nunca se vendeu pra ninguém, nunca ficou pensando na coisa mais comercial, mandou tudo à merda e investiu só no que ele acreditou. Isso eu carrego o tempo inteiro. A dignidade de um artista é o que mais importa", decreta o filho orgulhoso, enquanto cortamos o solo gaúcho rumo a Passo Fundo, adentrando o pampa pela infinita highway de nuvens carregadas, deixando para trás simpáticas cidadelas com igrejas de torres pontudas e cartesianas praças centrais.
 
Algacir Costa veio para Canarana pela primeira vez a convite do CTG Pioneiros do Centro Oeste, para ser jurado do 2º Festival de Música Gaúcha denominado Grito Pampiano, em outubro de 1993. 
 
Gostou da cidade se transferindo para cá no final do ano 1993,  juntamente com seu filho Yamandu, permanecendo durante os anos 1994 a 1995. Além de dar aulas de música, foi regente do Coral Municipal Vozes de Canarana e trabalhou como músico na animação de festas e bailes.  
 
Neste tempo que residiu em Canarana compôs a músicas Terra Esperança, que foi sendo reconhecida como a melhor composição feita em homenagem a Canarana. Essa música foi oficializada através da Lei 034/2010, como hino do município, aprovada por unanimidade pela Câmara Municipal de Vereadores em sessão realizada no dia 27 de outubro de 2010. 
 
Em função de problemas de saúde voltou para o Sul e residiu em Porto Alegre até o seu falecimento que ocorreu em 1997.
 
FONTE - Fundação Pró-memória

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...